Arquivo da categoria: Finanças

Agenda Te Lasca Brasil

image

O Renan Cabeleira Calheiros, aquele mesmo que até dias atrás bufava com a perspectiva de recondução de Janot ao comando da PGR e de uma hora pra outra ficou pianinho. Preparou e apresentou ao nosso “glorioso” ministro Levy, o vulgo cachorro que caiu do caminhão de mudanças, um grande pacote de maldades para o povo Brasileiro. Com o auxilio de alguns dos “notáveis” companheiros de governo, Levy está avaliando as propostas, mas já adiantou concordar com tudo.

Nesse pacote que pode ser chamado de Agenda te lasca Brasil, existem várias perolas que serão aplicadas goela abaixo do povo sofrido.  A taxação dos serviços do SUS, aquele mesmo sistema “fantástico” pelo qual todos nós já pagamos em nossos impostos é uma delas. Fico pensando como seria a tabela de preços do SUS, se considerarmos os péssimos serviços prestados. Caso o trabalho de composição desta seja justo é capaz até do cliente receber algum dinheiro por isso.

Outro ponto é o possível novo aumento da restrição da idade mínima para aposentadoria, certeza que agora tentarão colocar este ponto de corte em uns 70 anos. Espero que ao menos pensam em exigir a melhoria da acessibilidade de prédios públicos e privados, pois não faltará gente indo trabalhar de muletas e cadeiras de rodas.

A instituição de uma alíquota indecente e quase criminosa para taxar as heranças também está prevista. Vai chegar a hora de acabar com os testamentos e passar logo os bens à frente durante a vida.

Estas é mais 25 outras metidas, quer dizer medidas estarão durante a semana em avaliação pelos mesmos seres que colocaram o país na situação embaraçosa em que estamos. Triste.

Anúncios

Saem As Pedaladas, Mas Entram O Que ?

Salto

Meses atrás muito se falava sobre o arrocho do ministro Joaquin Levy e sua meta de economia e redução de gastos bilionária. Pois, a meta do superávit primário foi estabelecida em 1,1% do PIB no ano de 2015. Trocando em miúdos, para que todos possamos entender, o guverno pretendia economizar o equivalente a 1,1% do PIB para pagar suas dividas. No entanto, para as consultorias internacionais era claro que esta seria uma meta muito difícil de ser cumprida. Eles imaginavam que o correto e talvez possível, seria algo entre 0,5% e 0,7%, meta mais condizente com a dificuldade do governo em equilibrar as contas públicas, num momento em que a arrecadação de impostos diminui mas os gastos públicos continuam altos. Isso sem falar no congresso não muito amigável.

Eis que agora fomos surpreendidos pela redução da meta, não pela redução, mas pelo tamanho dela que passou de 1,1% para 0,15% em 2015. Vejam a explicação de Levy para a redução:  “(A meta se torna) alcançável, algo importante para orientar os agentes econômicos, os empresários e as famílias e reduzir a incerteza”.

Na realidade, a mudança da meta do superávit visa cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal, lembram ? Aquela da qual o governo apoiado por uma série de parlamentares afagados com cargos e presentinhos fizeram de gato e sapato no inicio do ano.

Pois é, como o bicho tá pegando e a GovernANTA está prestes a ser torrada pelas suas conhecidas e manjadas pedaladas fiscais, o guverno está ciente de que este ano precisará mudar de esporte, ou seja, não poderá executar suas costumeiras pedaladas.

O ponto positivo desta estória toda é podermos imaginar que o governo está tentando jogar limpo desta vez, pelo menos até a poeira baixar. O ruim é que o jeito agora é fazer figa para que a agência de classificação de risco Moody’s não rebaixe muito a nota do Brasil. Porque se o pais sair do grau de investimento vamos trocar as pedaladas pelos saltos ornamentais e a queda será bem alta.

HSBC: Bateu Asas e Voou

hsbc

Aí pelos anos 60, existia um ditado popular que dizia “organizado que só o partido comunista”. Mas isso era na Europa.

Foi só abrirem um PC aqui no Brasil que já esculhambou: criaram uma variante e fizeram logo dois: o PCB e o PCdoB. Vê se pode.

Outra coisa foi a máfia. Niquiqui botaram os pés abaixo do Equador e já apareceu um Buschetta que dedou meio mundo e acabou com um dos maiores valores da organização: o código do silêncio.

Sucumbido à esculhambação tupiniquim, agora é a vez do HSBC, uma das maiores instituições bancárias do planeta que anuncia que vai fechar suas operações por aqui; justamente um dos mais privilegiados lugares do globo onde negociar com dinheiro, seja limpo ou enlameado, dá os maiores retornos.

Tudo isso por causa de umas “operaçõezinhas” envolvidas com “malfeitos” de uns conterrâneos nossos. Alegam os sino-britânicos que as coisas no Brasil são meio turbulentas e com regras muito variáveis etc e tal.

Fato é que agregar-se-ão (bonito isso né?) uns 5.000 desempregados nas legiões que dona deelma criou neste país.

José Eduardo de Andrade Vieira, antigo dono do Bamerindus, comprado pelo HSBC deve sorrir no túmulo…

A ver…